Dicas de álbuns #01 (Georgia Anne Muldrow - Seeds)


Inaugurando mais uma engenhoca nesse blog obscuro.


A primeira dica, é de uma artista que conheci recentemente, e que foi amor instantâneo: Georgia Anne Muldrow. Percebe-se em seu som uma grande influência no soul, jazz, R&B, Hip-Hop. Não se trata de focar em cada música um único estilo, mas a ideia é misturar todos esses numa única música. E ela consegue fazer isso magistralmente bem. Com aproximadamente 17 álbuns em sua carreia num curto espaço de tempo, já que ela lançou seu primeiro disco em 2006, Georgia Anne Muldrow é uma caixinha de inspirações mirabolantes, e sons criativos. 

Hoje vou recomendar o disco de 2012 intitulado ''Seeds''. O álbum abre com a faixa título, numa batida contagiante como se fosse um Hip-Hop com funk, misturando soul nos vocais, com direito à piano e flauta de fundo. O mais legal é que essa música tem uns recortes muito interessantes, uma coisa vai atropelando à outra, e pega a canção pra si, até dar lugar à outra voz ou instrumento, e assim vai. A letra remete uma preocupação com o futuro que as crianças viverão. Eu diria que é uma reflexão, com uma dose de melodias que se cruzam e deixam um gosto agridoce nos ouvidos.    

Uma outra música que gostei muito é a ''Kali Yuga''. Com um refrão contagiante, o que temos é mais uma mistura de sons eletrônicos que invadem a canção em momentos inesperados, seja com gritos de um casal, palmas de uma plateia, ou de uma voz que diz repetidamente ''Move'' no refrão. A batida é dançante, mas a melodia tem uma vibe misteriosa que não a torna uma canção alegre. Eu gosto desse jogo de esconder e revelar. 

Menção honrosa para mais três músicas: Wind, Calabash e Best Love. São ótimas, dá vontade de cantarolar o dia inteiro. Porém, as canções ''Husfriend'' e  ''Kneecap Jelly'' são minhas favoritas junto com Kali Yuga. Confesso que fiquei arrepiada. Primeiro que a Husfriend segue uma linha bem Hip-Hop, e o chiado de fundo remetendo à um disco é sensacional. Gosto dos sussurros, do conjunto de vozes, enfim de tudo. É quase um mantra, dá uma paz ouvir. E a ''Kneecap Jelly'', é aquela que mais me arrepiou. A interpretação tem uma veia bem jazzística, ao mesmo tempo, bem Hip-Hop. Uma das melhores, sem dúvida. 

Vou deixar as três embaixo pra você ouvir, se gostar, corra atras do disco que vale muito à pena ouvi-lo do começo ao fim. Recomendo demais!





Comentários