O pioneirismo de ''Suburban Lawns'' no pós-punk que quase ninguém conhece


Formado inicialmente por dois estudantes; Su Tissue e Vix Billingsgate, os Suburban Lawns nasceu no final da década de 70; sim, aquela época frutífera e sagrada para todo fã de música. Tendo como berço Long Beach na California, surgia ali uma fusão do pós-punk com new wave que deixaria saudades anos mais tarde. A sonoridade era estranha, porém criativa do começo ao fim. Suburban Laws captava o absurdo da vida, das relações, da modernidade e tudo mais que torna o que somos.

Em 1979, eles lançam a primeira música intitulada ''Gidget Goes to Hell'' para o curta metragem do diretor Jonathan Demme, já com a entrada dos novos membros Frankie Ennui, Chuck Roast e John McBurney. Eles também tiveram uma aparição no New Wave Theatre de Peter Ivers, e no Saturday Night Live, com isto, a banda já estava confiante o suficiente para lançar o primeiro álbum, e conseguinte, conquistar alguns fãs. 


Em 1981 eles lançam pela IRS Records, seu álbum de estreia, totalizando quase meia hora, contendo músicas ligeiras que não passam nem de 03 minutos. A agitada música de abertura ''Flying Saucer Safari'' já mostra de cara a essência da banda. O baixo de Billingsgate, a voz interpretativa de Su e a letra engajada, são as três características principais de Suburban Lawns que formam o esqueleto do grupo. Dançante do começo ao fim, essa música já começa chutando bundas ao criticar a cultura americana já no primeiro verso ao juntar Coca e Doritos na mesma frase.

Já a canção ''Pioneers'' continua o ritmo agitado, desta vez com outra frase impactante ''I would rather be sorry than safe, But the price is going up, up, up, up''. A partir dai, você que já estava achando o som suficientemente estranho, nas canções seguintes ''Not Allowed'' e ''Gossip'' subimos mais um nível na esquisitice. Começando pelo vocal de ambas, que transmite uma sensação totalmente paranoica. Porém, a ''Intellectual Rock'' vem apaziguar esse sentimento, continuando a simplicidade do punk, no entanto puxando mais para um lado sombrio na letra, embora pareça um convite feliz para dançar.

Suburban Lawns continua mais soturno nas músicas ''Protection'' e ''Anything''. Com um ritmo mais lento comparado às anteriores, ''Protection'' é tomado por uma melancolia misteriosa que nos convida à ouvir barulhos estranhos vindo de um estacionamento. E ''Anything'' por sua vez, é uma das minhas preferidas do álbum, por conter uma sonoridade totalmente diferente das anteriores, principalmente pela entonação do refrão, que vai do esquisito ao engraçado. Definitivamente, é uma das mais divertidas de se ouvir do álbum.

Com isso, chegamos na ''Janitor'', música esta, mais conhecida do disco. E não é pra menos, com um trocadilho maravilhoso ''Oh my genitals, I'm a janitor'' não se podia esperar um som mais criativo. Dou destaque também para os solos de guitarra que conseguem se encaixar bem na maluquice da canção. O vocal de Su continua do esquisito ao engraçado na frase ''Who's your mother? Who's your father?'', o que não poderia dar mais certo. O video clipe dirigido pela artista Denise Gallant também tem seu mérito; ela consegue refletir as cores vibrantes que o som da canção traz em nossos ouvidos. 


A próxima ''Computer Date'' é a que mais faz os instrumentos cantarem claramente a letra da canção, como se realmente o som saísse de um computador. Já as músicas ''Mom, Dad and God'', ''Unable'', ''When in the World'', ''Green Eyes'' e ''Jam the Controls'' tomam um rumo ainda mais pós-punk, mas sem deixar de lado aquela pontinha no New Wave na maluquice agitada. Criativa do começo ao fim, Suburban Lawns criou canções distintas umas das outras, a ponto de cada uma se destacar pela sua versatilidade.


Eles lançaram um EP contendo 05 músicas dois anos mais tarde em 1983, produzido pelo Richard Mazda intitulado ''Baby''. Este curto álbum tem um som mais encorpado/trabalhado que o anterior, e pode-se dizer que a ideia era lançar um álbum completo, porém, com a saída do guitarrista McBurney durante as gravações, todo o grupo se desfez logo após o lançamento. Ennui e Vix formaram uma nova banda chamada The Lawns, e Su gravou um álbum solo de piano em 1984. Ela também fez uma breve aparição no filme de 1986 ''Something Wild'', e depois disso sumiu das mídias. 

Suburban Lawns também estava desaparecido na lembrança do público, e desconhecido na história do pós-punk, até que alguém teve a brilhante ideia de relançar em CD e em vinyl o álbum de estreia e o EP juntos em edição limitada há uns 2 anos atras aproximadamente. Ter essa pérola perdida da música de volta e à disposição, é uma maneira de preservar os primórdios de um movimento. Em outras palavras; tirar uma banda como essa do limbo, é fazer as pazes com os deuses da boa música.


Comentários