Jack White Volta Ainda Mais Criativo em ''Boarding House Reach'' (2018)



Depois de quatro anos, Jack White retornou para mais um álbum solo intitulado ''Boarding House Reach''. À cada novo trabalho, White volta ainda mais ''esquisito'' - no melhor sentido da palavra. Seu último trabalho em 2014 ''Lazaretto'', ainda continua servindo de referência de melhor álbum solo de sua discografia, porém, acredito que esse novo trabalho tem tudo para roubar esse posto com o passar do tempo. Digo isto pois, ''Boarding House Reach'' fica melhor depois de reouvi-lo.

A primeira vez que ouvi o single ''Connected by Love'' - que inclusive é a música que abre o disco - confesso que não me senti conectada com o sentimento da música. Sabemos que o vocal melodramático é uma das características de White, juntamente com a guitarra se assemelhando à um som mais sujo, e o coral de vozes acompanhando em momento oportunos. Essa música, tem tudo o que já esperávamos dele. Mas é difícil se sentir à vontade nela de primeira. Pelo menos essa foi a minha experiencia. 


É importante ressaltar que White é um músico que gosta de desafios. Não é atoa que ele chamou músicos que nunca havia trabalhado em conjunto antes, e utilizou instrumentos que evitava. Algo que chama bastante atenção nesse álbum é o uso de sintetizadores. Uma Escolha mais acertada e ao mesmo tempo arriscada que essa, impossível. Porém, Jack White prova que domina a arte de casar o útil ao agradável. Como na segunda música ''Why Walk a Dog'', onde o instrumental se complementa  em cada nota.

E o que dizer então do maravilhoso riff da ''Corporation'' e de toda composição que vem depois? É surpreendente o modo como a música toma novas formas em poucos minutos. É uma mistura louca que inacreditavelmente dá certo. Como se fosse uma mixagem vindo da imaginação de alguém. 


É interessante como esse álbum ajuda a criar uma atmosfera na sua mente. Faixas como a ''Abulia and Akrasia'', ''Ezmerelda Steals the Show'' e ''Everything You've Learned'' constroem uma identidade quase cinematográfica. São tracks curtas, no entanto, elas conseguem trazer uma atmosfera propícia com eficácia. 

Já a ''Hypermisophoniac'' é semelhante à ''Corporation'' só que um pouco menos dançante, já que não utiliza tantas batidas. O efeito alucinógeno é o mesmo. É impossível não se sentir enfeitiçado pelo baixo, pelo piano e as indas e vindas dos sintetizadores. Quase que uma onda de LCD, eu diria.

Na sequencia ''Ice Station Zebra'' continua no mesmo clima entorpecente. Já às ''Over and Over and Over'' e a ''Respect Commander'' são os grandes hits do álbum eu diria. Energizantes, ágeis. Essas duas canções tem tudo para grudar na cabeça de qualquer um, mesmo ela não tendo harmonias fáceis ou costumeiras. Elas tomam rumos inimagináveis, entretanto, o poder que elas exalam em cada instrumento é contagiante.  


Por sua vez, as três últimas canções do álbum vão ficando mais calmas gradativamente. Começando pela ''Get in the Mind Shaft'', que tem uma marcação de tempo mais forte, mais a voz robotizada, e o uso de mais sintetizadores são mais tranquilos e ajudam a acalmar os ânimos. A próxima ''What's Done is Done'' é a balada do álbum, e de longe, a mais melódica. Ritmo super agradável, versos mais lentos. Talvez seja a mais ''normal'' do disco também. Por fim a última ''Humoresque'' encerra ainda mais calma e serena. É como se a canção fosse um abraço, com cheiro de flores. 

''Over the air, you gently float
Into my soul, you strike a note
Of passion with your melody

Sunbeams are playing
Flowers and trees are swaying
Captured within your magic spell

If the children are dancing
Lovers are all romancing
Is it any wonder, everyone is singing?''

Jack White faz em ''Boarding House Reach'' um álbum de experimentações e muito ecletismo. Passeando por muitos instrumentos, de forma harmoniosa e calibrada, o disco é gostoso de ouvir do começo ao fim. Sua excentricidade rigorosa continua viva. White continua se superando. E consequentemente sua criatividade, ainda consegue ganhar vida e cor. Pra um músico, é mais do que uma missão cumprida. 

Ouça o álbum completo no Spotify.



Comentários